05/10/10

lamento a minha falta de entusiasmo genuíno (ou: mais um post destinado a irritar tanto estes como aqueles)


Eu sou republicano, neste sentido estrito: em princípio,e por princípios, prefiro a república à monarquia como regime. Contudo, nenhum tipo de regime é puro. Há monarquias "quase republicanas" e há repúblicas que mais parecem oligarquias. Na medida em que as funções simbólicas importam sempre numa sociedade humana, o peso simbólico de uma "família real" pode ser suportável como modalidade de organizar o simbolismo do Estado, da mesma maneira que uma República pode dar tratos de polé às suas dimensões simbólicas (por exemplo medalhando toda a classe de tontos inúteis). E, além disso, a organização concreta de um regime num dado momento histórico pode ser muito mais importante do que a sua filiação na modalidade republicana ou na modalidade monárquica. Se eu fosse espanhol tenderia a deixar para enésima-primeira oportunidade a minha preferência republicana. Sendo português, tendo a achar falta de sentido das prioridades ser militante monárquico em Portugal. (Mesmo que os pretendentes ao trono não fossem como são...) Mas, enfim, cada um é que sabe das suas prioridades.

Sem comentários: