13/07/10

Galbraith e os trabalhos de casa


James K. Galbraith, economista, esteve em Lisboa numa conferência promovida por uma fundação próxima do PS.
(A des/propósito: não vi lá nenhum dos Ladrões de Bicicletas, que gosta/va/m tanto dele, a ouvi-lo elogiar claramente o comportamento do governo português na resposta à crise.)
James K. Galbraith é filho de John Kenneth Galbraith, um economista muito conhecido que faleceu em 2006.
Contaram-me que, num dos canais de televisão cá do burgo, a senhora que, no sábado passado, fazia a reportagem da conferência introduziu a presença de James K. Galbraith dizendo que todos os alunos de economia nas nossas faculdades estudaram por livros dele.
Duas hipóteses interpretativas. Uma, a senhora não fez o TPC e não sabe distinguir o famoso mas enterrado John Kenneth Galbraith do vivo e activo mas ainda não tão famoso James Kenneth Galbraith. Duas, o PM, excitado com o apoio deste intelectual apreciado pela esquerda económica, mandou adoptar como sebenta os livrinhos deste americano que nos ajuda a desmentir completamente o propalado boato de que sejamos anti-americanos.

1 comentário:

Aprendiz disse...

Estive presente na referida conferência e destaco todas as intervenções mas principalmente as de Pervenche Beres da Comissão de Emprego do Parlamento Europeu e a de Galbraith.

Eles alertaram e bem para o caminho erróneo que sustenta a saída da crise por parte de Bruxelas. É uma solução contra-cíclica radical, de privatizações e redução do estado em coordenação com aumento de impostos e redução de salários. Ora, eu não sou nenhum especialista em economia mas, e concordando com Krugman, sabendo que necessitamos de maximizar as nossas exportações e vivemos numa União de forte interdependência económica, penso que o resultado não vai ser bom, dadas as previsões de crescimento negativo para vários países da UE.

Bem, enquanto jovem espero ainda assistir a uma evolução do integracionismo europeu. Mas tudo dependerá da lei de desafio-resposta aplicada a Bruxelas.