21/07/10

dar um passo em frente


A máxima leninista "um passo em frente, dois passos atrás", frequentemente revista por gente cautelosa e de muita aritmética para "dois passos em frente, um passo atrás", tem muitas variantes. A variante anything goes é mais ou menos assim: o que é preciso é dar passos, seja lá para onde for. É a máxima da "política dinâmica", aquela cujo único efeito que lhe interessa é o efeito ventoinha.

Isto, a propósito do artigo de Marco António Costa, no Económico: O imobilismo do PS.

2 comentários:

Ruaz disse...

Dar um passo é bom, resta saber para onde. Dar passos para tràs também pode ser positivo, aliás é claro que vamos ter que dar, e não em passos de baile. Dar passos coelho isso já não sei.
Um abraço

Porfirio Silva disse...

Rui, deixei a piada do coelho (dar passos coelho) para os leitores... e tu logo a puseste em letra de forma. És um crítico, caramba.
Abraço, Amigo.