23/06/10

o estado da nação, ainda


Ministério Público pediu levantamento da imunidade parlamentar de Sócrates e juiz concordou.
Comissão de Ética delibera que não tem competência para suspender Sócrates.
Queixa de Moura Guedes vai para o Supremo Tribunal de Justiça.

Uma jornalista, ex-deputada do CDS/PP, pode dizer o que lhe apetecer, usando a tribuna de uma televisão, de forma que muitos jornalistas (e não só) consideram mau jornalismo ou mesmo não-jornalismo.  (Marinho e Pinto diz a Manuela Moura Guedes, cara a cara, como se pode ver no vídeo abaixo:  "Você viola todos os dias, de forma sistemática, o seu código deontológico.") Um político tem obrigação de comer e calar.

Um ou mais agentes de justiça podem correr para qualquer acto que dê publicidade à sua movimentação baseada na queixa da pura jornalista, aparentemente sem qualquer cuidado formal (pedir ao Parlamento que levante a imunidade parlamentar de um não deputado, numa fase prematura do processo) - sem que o país se espante com o desplante.

"Vende-se". Cartaz à porta do país. "Vendido". Cartaz à porta de muita gente que deveríamos respeitar. Não, "vendido" não: "fechado para obras".

Sem comentários: