16/06/10

há sempre um conselho disponível para dar aos pobres

«Quando William Petty aplicou um raciocínio matemático estrito aos fenómenos sociais, particularmente na elaboração de recomendações sobre questões fiscais e o governo da Irlanda, alguns dos seus contemporâneos consideraram a sua abordagem incrivelmente ingénua. E, na verdade, assim era. (...) A sua afirmação de que os trabalhadores poderiam pagar mais impostos se prescindissem do jantar de sexta-feira (poupando assim no custo de o preparar) era, é claro, perfeitamente verdadeira.(...)
Em 1729, Jonathan Swift satirizou esse estilo seco, desligado, dos filósofos políticos "científicos", na sua proposta de que os pobres da Irlanda poderiam compor o seu orçamento e ao mesmo tempo servir o bem comum vendendo alguns dos seus filhos para serem cozinhados e comidos - pois, "uma criança jovem e saudável, bem nutrida, é, com um ano de idade, um alimento delicioso, extremamente nutritivo e completo; quer seja Guisada, Grelhada ou Assada quer seja Cozida; e, não tenho dúvidas, também não deveria ficar mal num Fricassé ou num Estufado".»

Philip Ball, Massa Crítica, Gradiva, pp.564-565
Fica, pois, à atenção dos "filósofos políticos 'científicos'", e também dos economistas "científicos". Para já não dizer dos comentadores (que, pelo menos, em geral não querem passar por cientistas - salvo os "politólogos", claro).

Sem comentários: