14/05/10

serve a "europa" para algo?

Jorge Bateira, afinal, se calhar não estava a laborar tão no ar como alguns supunham, quando escreveu:
Grécia, Portugal, Espanha e Irlanda (com o apoio tácito da França), têm uma alternativa. Negociar em segredo uma posição colectiva e, daqui a uns meses, confrontar colectivamente Angela Merkel (entretanto enfraquecida politicamente) com a seguinte escolha:
(1) regresso ao projecto, prematuramente abandonado, de relançamento coordenado do crescimento europeu pelo investimento público e por medidas de apoio social (a financiar pela 'economia da droga', pelo sector financeiro e por uma taxa sobre as suas transacções especulativas, por tributação altamente progressiva e, como agora se decidiu, por monetarização da dívida pelo BCE); reforço substancial do orçamento comunitário e revisão do Tratado de Lisboa para expurgar a ‘constituição económica’ da sua implícita ideologia monetarista, ou

... (2) saída simultânea dos quatro países com reposição das respectivas moedas, acompanhada de reestruturação unilateral das respectivas dívidas, nacionalização da banca, controlo rigoroso dos movimentos de capitais de curto prazo … e, em consequência, falência dos bancos que detêm dívida destes países, com destaque para os bancos alemães.


2 comentários:

Ruaz disse...

A grande questão é qual é esse "algo" de que necessitamos.
Desde há uns dias, após a intervenção europeia, as bolsas subiram em flecha (mesmo a portuguesa, coitadita..) Assim as empresas e os tais execráveis especuladores ganharam muito dinheiro. Sabes que cada dia que passa a economia virtual transaciona 50 vezes mais capital que a economia real?
É a partir do momento que o sistema soviétivo apareceu aos olhos dos seus apoiantes como irracional, imoral e incontrolável que esse mundo colapsou.
Vamos ver quanto tempo aqui demoraremos a ver que a nossa economia é imoral, irracional e incontrolável.

Porfirio Silva disse...

"Vamos ver quanto tempo aqui demoraremos a ver que a nossa economia é imoral, irracional e incontrolável."
Quem ainda não viu? Só os que ganham com isso é que fazem de conta que não viram.